Na vida real a quem você daria o papel de Bat Masterson para combater a corrupção no Brasil?

 

Em algum lugar do passado…

Revendo cenas de Bat Masterson

 

No velho Oeste ele nasceu,
E entre bravos se criou,
Seu nome lenda se tornou,
Bat Masterson, Bat Masterson.

Sempre elegante e cordial,
Sempre o amigo mais leal,
Foi da justiça um defensor,
Bat Masterson, Bat Masterson.

Em toda canção contava,
Sua coragem e destemor,
Em toda canção falava,
Numa bengala e num grande amor.

É o mais famoso dos heróis,
Que o velho oeste conheceu,
Fez do seu nome uma canção,
Bat Masterson, Bat Masterson.

Seu nome lenda se tornou,
Bat Masterson, Bat Masterson.
Seu nome lenda se tornou,
Bat Masterson, Bat Masterson.

(Compositor: Havens Wrey / Bart Corwin – Versão de Edson Borges)

 

A história real do personagem

William BarclayBatMasterson foi uma figura legendária do Velho Oeste americano. Ele foi caçador de búfalos, batedor do exército, jogador, delegado de fronteira, delegado federal, além de uma carreira como colunista e editor de esportes de um jornal de Nova Iorque. Descendente de Irlandeses, ele nasceu em Henryville, Quebec. Dizem que sua mãe (irlandesa com ascendência espanhola), era filha de Adrian Tenório, delegado e comerciante na região central espanhola. Conta-se que o apelido de “Bat” (Morcego), surgiu quando um desses animais sibilou pela igreja no momento do seu batismo.

A série de televisão “Bat Masterson”

Foram 108 episódios produzidos pelo canal NBC entre 1958 e 1961. Na série Masterson aparecia como um galante jogador, sempre bem vestido com seu chapéu coco e sua inseparável bengala. A série estrelada por Gene Barry foi exibida originalmente no Brasil, no ano de 1963 pela extinta Tv Excelsior que era líder de audiência nos horários de exibição de cada episódio, conforme dados pesquisados pelo instituto IBOPE. A música tema ficou famosa com a versão para o português tornando-se um dos maiores sucessos do cantor Carlos Gonzaga.

O ator Gene Barry

Seu nome artístico era Eugene Klass, nascido em Nova Iorque em 14 de junho de 1919, faleceu em Los Angeles, em 9 de dezembro de 2009. Ele foi um ator norte-americano, mais conhecido por sua participação no filme Guerra dos Mundos, de 1953, e pelos seriados de TV populares nos anos 50 e 60, Bat Masterson e Burke’s LawGene Barry foi um nome artístico adotado em homenagem ao ator John Barrymore. Por sua contribuição artística, Gene Barry ganhou uma estrela na Calçada da Fama. Na vida pessoal ele foi casado com Betty Clair Kalb, que faleceu em 2003. Ele teve dois filhos, Michael e Frederick, e adotou uma filha, Elizabeth. Gene morreu aos 90 anos, enquanto dormia na sua casa em Woodland Hills, Los Angeles, conforme informou o seu filho Frederic James Barry.

 

#SemanaDoMeioAmbiente Precisamos pensar um Plano de Saúde para o planeta TERRA…

meio-ambiente-vila-nova-conceicao-650x433.png

 

É triste pensar que a natureza fala e que o gênero humano não a ouve. (Victor Hugo)

 

Eles chamam de meio-ambiente, porque já destruíram a metade. (Lucas Degli)

 

Quem ama preserva.
Preservar o meio ambiente,
é preservar a VIDA.

(Andrea Taiyoo)

 

A educação exala um perfume que contagia o ambiente. (Elisabeth Trinidad Mena)

 

Pequenas atitudes podem ajudar o meio ambiente.

 

Não deixe o verde sair de moda.

 

Verde que te quero ver de perto.

 

Para uns CRISE é risco, para outros é OPORTUNIDADE.

Em 1991, fundei a editora Muiraquitã com um ex-colega de trabalho. Um pouco antes dessa época, em 1989, conheci Yan, um jovem idealizador e arrojado. Ele foi o pioneiro da editoração eletrônica no mercado editorial do Rio de Janeiro. Nos encontramos trabalhando na edição de um Dicionário de Mitologia Grega, contendo cerca de 1500 páginas distribuídas em 2 volumes. Uma obra primorosa do professor da PUC Junito Brandão, de saudosa memória. O editor da Vozes era o Frei Neylor José Tonin. Lembro que o departamento de arte da Vozes teve que trabalhar meses a fio para colocar os acentos manualmente, porque as fontes das letras gregas estavam incompletas. O período era de transição e tive que voltar para o jornal Gazeta Mercantil de São Paulo, onde trabalhava quando aceitei o convite do Frei Neylor para chefiar o escritório da Vozes no Rio. Era um cargo de confiança, uma secretaria geral da Vozes no Rio de Janeiro. Foi um tempo de grande aprendizado. Aos poucos fui me afeiçoando as atividades editoriais. Nos encontros diários, recebia gente famosa. Nem ouso nomear todos, foram muitos. Eram autores, livreiros, jornalistas, presidência de instituições culturais e grandes editores. E quando Yan me propôs parceria na captação de serviços de editoração eletrônica junto às editoras do Rio, o sonho de gerir a minha própria editora pulsava forte no meu coração. Mas tudo que eu tinha para começar era apenas o capital trabalho. Observando a minha história, percebo claramente que para uns CRISE é risco e para outros é OPORTUNIDADE. Desse modo começamos uma sociedade que durou 7 anos. O primeiro livro que publicamos surgiu em um tempo de crise, fruto das anotações que o Yan fazia após as nossas reuniões diárias, na fase embrionária da editora Muiraquitã. O título “Oportunidade — uma visão otimista da crise” foi lançado durante a conferência Mundial ECO—92, realizada no Rio. Quando Yan decidiu seguir outro caminho, lembro que ouvi dele na conversa em que foi anunciada a sua decisão: “estou vivendo um sonho que não é meu”. Sim, ele estava certo. O sonho era meu. Vesti a carapuça com todos os riscos e fiz o que devia fazer. Lutei pelo meu sonho. Realmente tem sido um tempo de lutas. Mas não tenho queixas. Tenho glorificado a Deus que até aqui tem me ajudado muito. Especialmente por entender como obra de Deus a presença da minha filha Raquel Ribeiro,  na Direção de Arte e Produção da editora. Depois de todos os anos em que ela esteve morando fora do Brasil, o seu retorno é o rejuvenescimento da marca da editora. Outra fonte de gratidão são os mais de 200 autores que a editora já publicou. Eles se tornaram nossos parceiros ao compartilhar o sonho de publicar suas obras conosco.  Agradeço a cada um deles, pela confiança demonstrada ao longo desses 25 anos da nossa editora.

As crises sempre existiram e existirão. Esta não é a primeira, nem será a última. Estamos vivendo um tempo conturbado na política brasileira. Mas não podemos perder de vista a esperança de que vamos sair de mais essa e voltar a crescer, como o país merece. O que entristece é a falta de respeito das ideologias partidárias. Apesar de não ter nenhuma filiação política nesse momento, posso afirmar que não sou dessas pessoas que se escondem na ‘zona de conforto’. Exponho meu pensamento. Mas, independente disso, reservo respeito aos meus amigos e a todos que sabem dialogar e expor as mais diferentes opiniões sobre esse momento de transição do governo brasileiro e a situação política em que o país se encontra. Mas não posso dizer que aceito de cabeça baixa, as reclamações entremeadas por xingamentos que estão nas redes sociais desde que surgiu o imbróglio da extinção do MINC.

Em 25 anos como editora de livros, nunca fiz captação de recursos. Compreendo que o mal uso da Lei Rouanet por um grupo privilegiado é a principal razão de tanta queixa. Penso que se a Lei atendesse aos pequenos produtores, ela poderia ser melhor aceita. A verdade é que os pequenos produtores de Cultura não têm a mesma chance de ser habilitados. A maior deficiência da Lei Rouanet fica por conta dos privilégios concedidos  aos grandes produtores ou ‘afilhados políticos’. São esses que conseguem habilitação para captar recursos. Os pequenos produtores são ‘sardinhas’ engolidas pelos ‘tubarões’.

Se a Lei Rouanet é o motivo da discórdia no MINC, então que seja revista ou extinta.

E sobre a volta do MINC tenho a dizer que os comentários maledicentes e atitudes desrespeitosas com ofensas a quem quer que se manifeste favorável, só demonstram o quanto nosso país precisa de Cultura e Educação.

Existe gente séria que trabalha com empenho e amor pela Cultura brasileira, ela é a raiz da nossa história. Essas pessoas merecem respeito. Não podem ser tratadas como ‘carneiros que vão enfileirados para o sacrifício silenciosamente’.

Não somos obrigados a compartilhar das mesmas opiniões, mas o respeito deve ser uma via de mão dupla. A soma das nossas diferenças é a maior riqueza da nossa Cultura.

Com o agradecimento sincero e o abraço carinhoso para todos que me respeitam e fazem por merecer a minha amizade.

🙏💜

 

tortuga-marina

12002102_867019666728813_2645525204883779041_n

A tartaruga foi eleita como identidade visual da Muiraquitã por ser um símbolo ecológico do nosso tempo, com grande significado para a preservação ambiental. O outro motivo foi o lançamento do selo editorial durante a conferência Mundial Eco-92, realizada no Rio.

Fome de Cultura…

O ‪#‎Brasil‬ está em meio a uma ‘guerra política’ sórdida. AMOR À PÁTRIA não se justifica com demonstrações de ódio. “Quem fala contra a cultura; quem diz que AGORA os artistas ‘vão ter que trabalhar’ é o tipo de gente que demonstra o quanto cultura faz falta”. Concordo com Bruno Mazzeo. E ainda sobre o mesmo tema, me senti indignada com o nível de agressividade e falta de cultura nos comentários postados abaixo de uma entrevista da Fernanda Montenegro, que tive o desprazer de ler… A onda de protestos dos artistas e contra os artistas, culminou numa convulsão das redes sociais discutindo o fim do Ministério da Cultura. A FernanDona é uma atriz de 86 anos, ícone da nossa dramaturgia, premiada e reconhecida internacionalmente, representa e dignifica o nome do Brasil pelo Mundo afora. Tanta falta de respeito só mostra o risco que todos corremos ao lidar com pessoas que se deixam levar por um irracionalismo exarcebado.

Diga-me com quem andas…

CipJ0HpU4AA8X1J

O caminho de cada um é feito pelos próprios passos. Mas a beleza da caminhada depende dos sentimentos e da lealdade, nos corações que vão ao nosso lado.

 

Fonte:

Lotus……… Photo by  Duong Quoc Dinh  via Twitter @Gabriele_Corno 

Adeus Cauby Peixoto. A MPB perde o maior ícone da música pop no Brasil.

cauby4

Cauby Peixoto (Niterói, 10 de fevereiro de 1931 — São Paulo, 15 de maio de 2016)  

Cauby gravou seu primeiro álbum em 1951, que foi chamado de “Saia Branca”, na época, por não ser muito famoso, teve pouca repercussão.

Cauby foi convidado para uma excursão aos EUA pelo Cardinal Spellman, em 1955. Durante a viagem no navio, Cauby cantou musicas religiosas. Já nos EUA, com nome artístico de Ron Coby, gravou alguns LP’s com a orquestra de Paul Weston, cantando em inglês, Cauby entre 1955 á 1958ficou indo e voltando dos Estados Unidos.

Citado nas revistas Time and Life como: O Elvis Presley brasileiro. Em 1956 ele apareceu no filme Com Água na Boca cantando seu grande sucesso, Conceição.

Em 1957, Cauby foi o primeiro cantor brasileiro a gravar uma canção de rock em português, a canção Rock and Roll em Copacabana foi composta por Miguel Gustavo, também autor da marchinha “Pra Frente, Brasil”.

Cauby vivia em São Paulo com sua fã, empresária e cuidadora, Nancy Lara, responsável pela agenda, figurinos, cenários, montagem dos palcos e repertório.

Cauby se apresentava nas noites de Segunda-Feira no Bar Brahma, um tradicional templo da boemia paulistana, em funcionamento desde de os anos 40’s, se localiza na mais famosa esquina brasileira (Av. Ipiranga com Av. São João, em São Paulo, Brasil), uma temporada de três meses, com seu sucesso, levou á uma temporada que dura mais de uma década, com ingressos concorridos, tanto no Bar Brahma, como em seus shows que realizava pelo Brasil, com seu violonista, amigo e irmão de Agnaldo Rayol, Ronaldo Rayol.

No dia 28 de maio de 2015, seu documentário foi lançado no Brasil, (Cauby – Começaria tudo outra vez) de Nelson Hoineff. O filme possui 90 minutos, e conta toda sua trajetória.

 

Começaria tudo outra vez…

 

 

Cij2As1WgAAwHPh

Ao som desse bolero
Vida, vamos nós…

#sempreviva 

  
Foto via Twitter: @AlePenhalver 

#sempreviva clicada em Santa Cruz de Minas, na Serra de São José, vizinha de Tiradentes (MG)

#LiberdadeLiberdade Como o príncipe Shalla M´Bembe foi capturado em sua tribo na África Oriental e trazido ao Brasil colônia na condição de escravo?

A Lei Áurea, que aboliu oficialmente a escravidão no Brasil, foi assinada em 13 de maio de 1888. E ainda hoje, temos que conviver com notícias que envolvem a prática da discriminação racial. O racismo consiste no preconceito e na discriminação com base em percepções sociais orientadas pelas diferenças biológicas entre os povos. Esperamos que um dia as pessoas preconceituosas sejam tocadas pela transformação. Quer seja pelo acesso a bons livros, pelo crescimento intelectual ou pelo amadurecimento natural do espírito.  Que enfim venha o tempo em que as diferenças sejam respeitadas.

Olá caríssimos leitores!
A propósito de ser o dia 13 de maio, uma data histórica e tão significativa para a comunidade negra em nosso país, gostaria de recomendar o romance ‘Shalla M’Bembe – Nobre na savana e na senzala’.  Trata-se de uma história que toca em uma enorme ferida: a questão da escravatura, da crueldade humana e das diferenças sociais na época do Brasil Colônia. O livro conta a história do príncipe Shalla M´Bembe que foi capturado de sua tribo, na África Oriental, e trazido ao Brasil colônia na condição de escravo. Filho de um líder respeitado e justo, Shalla M´Bembe, mesmo se tornando cativo, sofrendo violências e sendo tratado como um bicho sem alma, nunca deixou de ser bom e correto, granjeando o carinho de todos à sua volta, galgando assim, os passos para a tão sonhada liberdade. 

 

302933_314860088527658_1035332733_n

No blog da  Editora Muiraquitã  o leitor irá encontrar uma resenha detalhada com mais informações sobre o livro e o autor.
Se não encontrar em uma livraria perto de você, acesse o site da editora. Entregamos em todo Brasil, via Correios:  Livraria Virtual Editora Muiraquitã

#13demaio #DiaDeNossaSenhoraDeFátima Transmissão online da Capelinha das Aparições em Portugal

 

capelinha_fc3a1tima

Capelinha das Aparições

Clique na foto para ver e ouvir a transmissão online do Santuário de Fátima em Portugal.

Rogai por nós Santa Mãe de Deus!

Abençoai o Brasil e o Mundo inteiro.

 

Ave-Maria, cheia de graça!
O Senhor é convosco
Bendita sois vóis entre as mulheres
E Bendito é o Fruto do vosso ventre, Jesus
Santa Maria Mãe de Deus,
Rogai por nós os pecadores
Agora e na hora de nossa morte. Amém!

 

“Sim, ó Virgem Santíssima, nos faça dignos de cooperar para o triunfo do seu imaculado coração em todo o mundo.”

 

Programa celebrativo | verão

Da Páscoa até ao final de outubro

08h00 – MISSA, em italiano. De segunda-feira a sábado.

10h00 – TERÇO. Ao sábado, domingo e dias santos.

12h00 – TERÇO. De segunda a sexta-feira.

12h30 – MISSA. De segunda-feira a sábado.

14h00 – HORA DE REPARAÇÃO ao Imaculado Coração de Maria.

15h30 – MISSA, em inglês. De segunda a sexta-feira.

16h00 – TERÇO. Ao sábado, domingo e dias santos.

16h30 – MISSA. Ao domingo e dias santos.

17h00 – SAUDAÇÃO a Nossa Senhora. Ao sábado.

18h30 – TERÇO.

19h15 – MISSA, em espanhol.

21h30 – TERÇO. Seguido de procissão de velas no Recinto de Oração (à quinta-feira, procissão eucarística).

Nas peregrinações aniversárias, de maio a outubro, as celebrações realizadas no Recinto de Oração do Santuário na noite do dia 12 e na manhã do dia 13 são também transmitidas em direto.

Em todos os domingos do verão, a missa das 11h00, celebrada no Recinto de Oração do Santuário, tem também transmissão em direto.

Programa celebrativo | inverno

De novembro até à Páscoa

10h00 – TERÇO. Ao domingo e dias santos.

12h00 – TERÇO. De segunda-feira a sábado.

12h30 – MISSA.

14h00 – HORA DE REPARAÇÃO ao Imaculado Coração de Maria. Ao sábado e domingos (exceto domingos da Quaresma).

16h00 – TERÇO. Ao domingo e dias santos.

18h30 – TERÇO.

19h15 – MISSA, em espanhol. Ao sábado.

21h30 – TERÇO. Seguido de procissão de velas no Recinto de Oração (a procissão de velas realiza-se diariamente até ao início do Advento; do Advento à Páscoa, realiza-se ao sábado e nos dias 12; à quinta-feira, até ao início do Advento, segue-se ao terço procissão eucarística).


 

O terço das 18h30, recitado na Capelinha das Aparições, é transmitido, de segunda a sexta-feira, pela Rádio Renascença, pela Rádio SIM, pelas TV e Rádio Canção Nova e pela Telepace. Ao sábado e domingo, é transmitido pela Rádio SIM.

Esta transmissão contínua a partir da Capelinha das Aparições encontra-se também disponível no canal do Santuário de Fátima em MEO Kanal | 707070

 

Fonte: Santuário de Fátima

 

13227785_1188814251138160_8291920974784230831_o

13227791_1188812571138328_4788104101171361640_o

Procissão de velas em 12 de Maio de 2016. Fotos via página do Santuário no FB.

 

 

 

Visita virtual ao Santuário de Fátima #Portugal

 

Recomendo esse vídeo aos que já visitaram e têm saudade e aos ainda não conhecem o Santuário de Fátima e arredores, como Valinhos, lugar de origem da família dos três pastorinhos. Gosto muito desse caminho dos pastorinhos e algumas vezes o percorri na época da Semana Santa, meditando sobre as 14 estações da Via Sacra, que se encontram representadas ao longo do percurso. É um lugar de fé, oração, contemplação e perfeita sintonia com Deus.  

A pequena aldeia de Aljustrel foi a terra natal dos 3 pastorinhos e fica a poucos quilómetros do centro da Cova da Iria. Pode visitar livremente a casa dos irmãos Francisco e Jacinta que fica logo à entrada da aldeia e com sorte pode até encontrar aí alguns familiares destes que costumam estar na casa.

Valinhos, Fátima; Dezembro 2011Na casa da família da Lúcia funciona um museu que retrata um pouco a vida das pessoas no início do século passado.

Partindo de Aljustrel pode percorrer uma via sacra nos Valinhos. Irá passar por dois locais de grande importância para os acontecimentos de Fátima: o sítio onde se deu a aparição da Nossa Senhora a 19 de Agosto de 1917 (na imagem) e mais à frente a “Loca do Cabeço”, onde terão sido as aparições do Anjo de Portugal.

A via sacra termina no topo da colina onde tem uma boa vista sobre as redondezas e o santuário.

“O Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Fátima (mais conhecido, simplesmente, por Santuário de Fátima), localizado na Cova da Iria, freguesia de Fátima (Portugal), é um dos mais importantes santuários marianos do mundo. O atual reitor deste santuário é o Padre Carlos Manuel Pedrosa Cabecinhas.

Em 1917 (ano da revolução soviética), Jacinta Marto, Francisco Marto e Lúcia dos Santos (conhecidos por “os três pastorinhos”), dizem ter presenciado seis aparições de Nossa Senhora nos dias 13, de Maio a Outubro, tendo em Agosto acontecido no dia 19. No essencial da mensagem, Nossa Senhora teria pedido que se rezasse o terço todos os dias, conversão, e penitência.”

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Santu%C3%A1rio_de_F%C3%A1tima

Entradas Mais Antigas Anteriores

The twitteramigos Daily

Paperli.PaperWidget.Show({
pid: 'laboure_lima/twitteramigos',
width: 200,
background: '#FB0000'
})

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 9.494 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: