Era uma vez ’11 de Setembro’ – direto do túnel do tempo…

311006_2082409585129_202147566_n
O mês do aniversário das Edições Muiraquitã é um tempo de memórias e portanto vale relembrar alguns fatos marcantes, como esse da foto, em que a editora Labouré Lima encontrava-se em Viseu-Portugal para o lançamento do livro ‘Vil de Souto – Cantinho da Beira Alta’ do escritor português Augusto Lopes*. O livro traz uma pesquisa histórica sobre a formação da freguesia Casal de Vil de Souto, cujo significado quer dizer vale dos castanheiros. E dentre as famílias formadoras dessa povoação encontra-se a que deu origem a árvore genealógica do Comendador Thomás Lima. Ele foi um dos fundadores e presidente do antigo Banco Predial do Estado do Rio de Janeiro, vendido para o Unibanco e recentemente incorporado ao Grupo Itaú S/A. O comendador imigrou de Portugal para o Brasil. E com apenas 13 anos ele deixou Viseu para morar em Niterói-RJ, com seu irmão que já morava nesta cidade. Assim ele formou um novo núcleo familiar e construiu ao longo do tempo a sua história na comunidade luso-brasileira do Estado do Rio de Janeiro.
Nesta ocasião festiva, torna-se imprescindível registrar a nossa homenagem à memória do Dr. Tomaz Correia de Miranda Lima (filho do Comendador), ex-presidente do Elos Clube de Niterói e Centro da Comunidade Luso-Brasileira do Estado do Rio de Janeiro que introduziu essa editora no seio da Comunidade Lusíada.
Retomando a história do lançamento do livro, o evento estava agendado para Setembro de 2001. Poucas horas antes do nosso embarque para Portugal, foram despachados 1000 exemplares do livro que deveriam seguir no mesmo voo, como bagagem acompanhada. Mas aquele onze de setembro não seria um dia qualquer. O mundo inteiro assistiu com perplexidade e sofreu com as cenas de horror daquela manhã de setembro, em que as Torres Gêmeas do World Trade Center (WTC) foram ao chão, barbaramente atingidas por dois aviões, causadores da tragédia que abalou o Mundo. De um momento para o outro, a paisagem de NYC foi encoberta por uma densa nuvem de poeira, carregada de muita dor e medo.  Aquele dia marcou a história política do nosso tempo e o Mundo nunca mais foi o mesmo depois do maior ataque terrorista aos Estados Unidos.
Depois do impacto das primeiras imagens, consideramos que seria complicado passar dez horas dentro de um avião e atravessar o Oceano. Então, nos rendemos ao pânico de embarcar naquele dia e transferimos a data da viagem.
Alguns dias depois, voamos para Portugal. Do outro lado do Oceano, fomos recebidos com um evento super bem cuidado, organizado pelo autor, sua família e um grupo de amigos. O escritor Augusto Lopes autografou mais de 400 livros em sua tarde de estreia. O que presenciamos não foi propriamente uma ‘sessão de autógrafos’, mas um ‘show de autógrafos’  entremeado com música, dança folclórica, gastronomia e exposição de artes plásticas, assinada por artistas regionais da Beira Alta. O eventou também contou com a cobertura jornalística da Radio Renascença e do Jornal Notícias de Viseu, aos quais a editora e o autor deram entrevista para divulgar o livro ‘VIL DE SOUTO – Cantinho da Beira Alta’.  Como se pode observar o lançamento desse livro marcou a história da editora de muitas formas.
*Augusto Lopes, mudou-se de Portugal para Genebra, onde, trabalha, estuda,  assina uma coluna de jornal, apresenta um programa de rádio e continua a escrever e a publicar seus livros. O mais recente é ‘Meu Sol de Genebra’, publicado pela editora Chiado, em língua portuguesa. Mas também pode ser lido nas versões italiana e francesa.
NOTA: O post foi publicado às 23:22horas de 11 de Setembro, pela hora de Brasília. Mas  o WordPress o considerou como 12 de setembro.  Só um registro.

Se há direito de escolha, tudo muda…

Conversava com um amigo e ele comentou sobre os preparativos da Páscoa com a sua família. Ele disse que vai comprar carne de cordeiro. Eu disse a ele o que acho. Realmente é uma boa carne. Mas parei de comer desde que descobri o sofrimento do cordeiro antes da morte. Contra a lei da Natureza não há nada que se possa fazer. Mas é possível  reagir contra as agressões que os homens impõem ao mundo animal. 

O homem, para sobreviver, precisa retirar seu sustento da Natureza. É inegável que o instinto humano defende a própria sobrevivência. Há casos em que a vida depende da caça. Não há escolha. É preciso comer qualquer tipo de carne para sobreviver. Se a vida estiver ameaçada é hipocrisia dizer que não se pode fazer isso. A lei da sobrevivência é imperativa.

Isso me faz lembrar aquele famoso caso dos sobreviventes do acidente aéreo dos Andes. Acho que ninguém gostaria de se imaginar naquela situação… Talvez o instinto de sobrevivência falasse mais alto, como ocorreu. Não sei. É impossível avaliar situações que desconhecemos.

Desde criança escuto essa frase: “o que não tem remédio, remediado está”. É uma declaração pragmática, consistente e intensa que se aplica em uma situação irremediável. Mas se há direito de escolha, tudo muda. 

Acabei envolvida por esse assunto depois de lembrar de uma viagem com meu marido e alguns amigos… Uma noite estávamos jantando no Hotel The Palace Sun City (Pilanesberg, África do Sul) quando o maître d’hôtel nos ofereceu carne de girafa, que não constava no cardápio. Os outros acharam exótico e aceitaram. Mas eu dispensei. Fiz valer o meu direito de escolha. Não pretendo discutir o cerne da questão legal. Mas entendi que o fato da carne estar fora do menu já indicava a transgressão de uma regra existente. Na ocasião fiz um breve discurso na mesa do jantar e disse que “não gostaria de guardar como lembrança da viagem um fato que agride os meus princípios. Imagino que se todos os turistas comerem carne de girafa, um dia essa espécie estará ameaçada”.

Aprecio atitudes conciliadoras e não vejo com bons olhos o temperamento radical. Considero o fanatismo falta de aprofundamento. Cada um deve conviver com as consequências das próprias escolhas. Não pretendo fazer juízo de valor sobre os atos alheios. Apenas observo. O tribunal da vida se encarrega de tudo.

O teimoso está entregue à sua própria sorte.  É como diziam os antigos: “sua alma sua palma”.

 

Cd--FKVW0AAVWjk

 

Salto de Paraquedas em Itacoatiara! Melhor maneira de chegar na praia

Salto de trike na praia de Itacoatiara – Niterói – Rio de Janeiro.
Em 07 Julho 2013. Atleta: Marcelo Miranda.

Recomendo ver em tela cheia.

*************************

Nós gostamos de manhãs quentes com brisa fresca
burburinho das pessoas
bramidos do mar
movimento nos ramos das árvores
e da cor verde

Nós gostamos da água às vezes nem tão límpida
das ondas que quebram à beira da praia
das gotículas que trazem frescor
das formas dos bancos de areia
e da cor azul

Nós gostamos do horizonte como que infinito
recortado por barcos ao longe
e das gaivotas que mergulham
em uma pesca plástica, ainda que assassina
e da cor branca

Nós gostamos da falta de tudo que na cidade excede:
cartazes, faixas, propagandas
ônibus e caminhões, buzinas
responsabilidades e tarefas
e da cor cinza

Nós gostamos do silêncio que em nenhum lugar há
senão por instantes noturnos
ou na misteriosa confluência de fatores
que nos trazem, brevemente, somente o barulho das ondas
e da cor amarela

Nós gostamos do som de algumas canções, das vozes
que as cantam, do alívio que vem
em goles de vinho branco, a tranquilidade
e leve embriaguez iluminada pela lua
e da sua cor prateada

Nós gostamos das crianças que chapinham na água
cavam na areia, sorrindo e gritando
em meio aos vendedores e suas ofertas
de alívio instantâneo com seus sorvetes e refrescos
e da cor vermelha

Nós gostamos de ler sentados na espreguiçadeira
e de nela cochilar, envoltos pelo calor
do sol, os reflexos de luzes
em nossos olhos caídos
e da cor castanha

Nós gostamos de Itacoatiara

 

Poema de Marcos N.
Membro do TripAdvisor
Visitou Itacoatiara, em outubro de 2013

Calmas sementes de outro sol futuro…

 

Saboreio este dia,
Fruto roubado no pomar do tempo.
Sabe-me a novidade,
Deixa-me os lábios doces.
Tem a polpa de sol, e dentro dele
Calmas sementes de outro sol futuro.
Cheira a terra lavrada e a maresia.
E tão livre e maduro,
Que quando o apanhei já ele caía.

Miguel Torga
(1907-1995) Portugal

Diário de viagem — #Copenhagem — Museu de Artes da Dinamarca — Gliptoteca Ny Carlsberg

16027869178_289320d561_o

A Gliptoteca Ny Carlsberg (Ny Carlsberg Glyptotek) é um museu de arte localizado na cidade de Copenhagem, Dinamarca.

O museu fundado a partir da coleção de Carl Jacobsen, filho de Jacob Christian Jacobsen, fundador da cerveja Carlsberg, reúne uma das maiores coleções privadas de arte de seu tempo, e atualmente possui a maior coleção de arte antiga do norte da Europa.  Estima-se que a frequência de visitantes alcance 350 mil por ano.

A coleção do museu inclui antiguidades egípcias, gregas e romanas assim como esculturas românticas e pinturas impressionistase pós-impressionistas.

39621379

Envolvido pela beleza do cenário do Jardim de Inverno o Café Glyptotek serve bolos e pratos leves. Todos os alimentos são cuidadosamente preparados e feitos a partir de ingredientes orgânicos e sustentáveis.

ajude a si mesmo

AJUDE A SI MESMO E O SENHOR SEU DEUS  LHE AJUDARÁ.

No alto da porta de entrada da boutique do Museu a frase nos convida a refletir.

16015186789_356ae4ea33_o

No ícone russo Drawn Mãe de Deus (Signo) de 1700
vê-se a Virgem Maria e por uma inspiração Divina do artista o Menino Jesus em Seu Ventre.
Maria no Museu NY Carlsberg Copenhague

Quadro Mãe de Deus (Signo) , 1700 (Rússia). O trabalho pode ser visto no Hall 25 (Mediterrâneo horizonte) O ícone é uma ilustração de uma passagem do Velho Testamento, que diz: Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel . (Is. 07:14). É o Novo Testamento interpretado como uma profecia da vinda do Messias, como aconteceu quando Jesus nasceu. O ícone mostra Maria com o Menino Jesus em Seu Ventre.

16013932630_e0d97c2821_o

As primeiras mudas das palmeiras Phoenix que compõe o jardim de inverno do Ny Carlsberg Gliptotek chegaram em 1906, ainda plantadas em vasos. Com o tempo as palmeiras ficaram  imensas e alcançam o teto de vidro.

Em 2009, mais de um século depois das palmeiras chegarem ao jardim foi necessário uma grande operação de poda para retirar os ramos mortos e evitar acidentes. A intervenção aconteceu próximo da Páscoa, e os ramos foram destinados as celebrações do Domingo de Ramos nas igrejas de Copenhagem.

16201273405_2e28edbc71_o

Em uma das áreas mais movimentadas de Copenhagem, no HC Andersens Boulevard, encontramos nesse jardim um espaço de tranquilidade e beleza. No meio do jardim também há esculturas cercadas de águas. E no plano de fundo da escultura fotografei um grande amigo da nossa família que é dinamarquês, foi ele quem nos sugeriu esse passeio inesquecível. Deixo aqui a minha homenagem carinhosa para ele e todos da Dinamarca.

a16015463877_6329ed2cf7_o

Eu e minha filha, com o nosso amigo Bertio e o neto dele Benjamin.

Fotos, copyrigth by Labouré Lima e Raquel Ribeiro.

——————————————

Para saber mais sobre a Gliptoteca Ny Carlsberg visite o blog do Museu.
https://glyptoteket.wordpress.com/glyptoteket/

——————————————-

NOTA DO BLOG:

“AJUDE A SI MESMO E O SENHOR SEU DEUS LHE AJUDARÁ.” — Essa frase realmente nos convida a refletir. E assim,  esse post abre uma seção no blog sempreviva que inicialmente não é nada mais que um despretensioso Diário com Anotações de Viagens. Onde, pretendo contar um pouco de tudo que já vi e vivi pelo mundo. Inclusive, vou marcar outras postagens já existentes no blog com objetivo de agrupá-las dentro desse tema.

The twitteramigos Daily

Paperli.PaperWidget.Show({
pid: 'laboure_lima/twitteramigos',
width: 200,
background: '#FB0000'
})

%d blogueiros gostam disto: