Os Aventureiros da Solidão #DicaDeLivro

14330048_1756920554546123_8378998032898865499_n

Este é o primeiro volume da Coleção Diálogos Filosófico-Literários, a que se integram os quatro exemplares já publicados: Nas Malhas do Devaneio – o dia em que Fernando Pessoa nos reinventou; Movidos pelo Desejo – Emma Bovary e Dr. Fausto: a danação da viagem; Do Assombro e do Provável – Clarice Lispector e Hamlet: o labirinto da consciência; Do Esplendoroso Caos – Dom Quixote e Nietzsche: a metamorfose do humano.

Estes títulos foram editados um a um entre 2013 e 2014, quando ainda se pretendia a publicação em separado dos diálogos.

Em finais de 2015 a coleção tomou uma nova direção, e chegamos a este novo formato, em que cada volume passa a conter quatro ensaios. Este é, pois, o primeiro volume.

Pessoa, Emma Bovary, Fausto, Clarice, Hamlet, Quixote, Nietzsche, viajantes solitários dos confins do espanto, percorrendo itinerários em direção aos achados que reinventam, assombrados com os triunfos das descobertas e indomáveis na sua amabilidade.

 

Os Aventureiros da Solidão   14369988_1756913951213450_5555865699001194923_n

Autora: Dília Gouveia

160 páginas / PB  / Ano: 2016 / ISBN: 978-85-5858-010-6

Preço de capa:  R$48,00

Saiba como comprar o exemplar e receber em casa:

Livraria Virtual Editora Muiraquitã

 

#DiaDoEscritor Nossa homenagem a esse ofício que nos ensina a pensar…

13781862_1075909139168354_8435043226053634903_nEm nome da Editora Muiraquitã quero parabenizar e agradecer publicamente aos nossos escritores, bem como das editoras do Brasil e do Mundo, pela entrega de suas vidas ao ofício criativo das palavras. Esse ofício tão importante que nos ensina a pensar…
Para a história de uma editora não é suficiente publicar livros vendáveis. Uma das características fundamentais é criar um diferencial. Ao se tornar conhecida por ser diferente das outras, uma editora conquista o interesse e a aproximação dos leitores. E com o foco em nossa Editora Muiraquitã queremos salientar que se torna indispensável evidenciar e agradecer aos nossos autores, pois são eles os maiores responsáveis por fazermos a diferença entre outras editoras. As nossas relações vão além da simples parceria editora/escritores. Nesse ano de 2016, mais precisamente em 24 de Setembro, completamos 25 anos de história. Foi esse tempo que nos ajudou a construir as gratíssimas relações de amizade com os escritores que publicamos. Para nossa editora isso representa mais que um prêmio conquistado. Queremos enfatizar que a nossa relação de afeto com os nossos autores começa a ser construída quando eles nos dão a oportunidade de ter contato com o texto que escreveram e sobre o qual se debruçaram por horas, dias, meses e anos de suas vidas, antes que se torne um livro acessível ao público. Cada um desses amigos representa uma joia no tesouro da vida editorial, protegido com afeto e alto grau de confiabilidade.
Labouré Lima

 

No dia 25 de julho comemora-se o Dia Nacional do Escritor, data instituída em 1960 pelo então presidente da União Brasileira de Escritores, João Peregrino Júnior, e pelo seu vice-presidente, o célebre escritor Jorge Amado. O Dia do Escritor surgiu após a realização do I Festival do Escritor Brasileiro, iniciativa da UBE. O grande sucesso do evento foi primordial para que, por intermédio de um decreto governamental, a data fosse instituída com a finalidade de celebrar a importância do profissional das letras, profissão que, infelizmente, nem sempre tem sua relevância reconhecida.

 

Fique por dentro das novidades da Editora Muiraquitã acompanhe o nosso blog e acesse também a nossa livraria virtual. Agora você pode comprar nossos livros sem sair de casa http://editoramuiraquita.lojaintegrada.com.br/

 

Se você tem um livro para publicar recomendamos que leia esse artigo no site da Editora Muiraquitã

#LiberdadeLiberdade Como o príncipe Shalla M´Bembe foi capturado em sua tribo na África Oriental e trazido ao Brasil colônia na condição de escravo?

A Lei Áurea, que aboliu oficialmente a escravidão no Brasil, foi assinada em 13 de maio de 1888. E ainda hoje, temos que conviver com notícias que envolvem a prática da discriminação racial. O racismo consiste no preconceito e na discriminação com base em percepções sociais orientadas pelas diferenças biológicas entre os povos. Esperamos que um dia as pessoas preconceituosas sejam tocadas pela transformação. Quer seja pelo acesso a bons livros, pelo crescimento intelectual ou pelo amadurecimento natural do espírito.  Que enfim venha o tempo em que as diferenças sejam respeitadas.

Olá caríssimos leitores!
A propósito de ser o dia 13 de maio, uma data histórica e tão significativa para a comunidade negra em nosso país, gostaria de recomendar o romance ‘Shalla M’Bembe – Nobre na savana e na senzala’.  Trata-se de uma história que toca em uma enorme ferida: a questão da escravatura, da crueldade humana e das diferenças sociais na época do Brasil Colônia. O livro conta a história do príncipe Shalla M´Bembe que foi capturado de sua tribo, na África Oriental, e trazido ao Brasil colônia na condição de escravo. Filho de um líder respeitado e justo, Shalla M´Bembe, mesmo se tornando cativo, sofrendo violências e sendo tratado como um bicho sem alma, nunca deixou de ser bom e correto, granjeando o carinho de todos à sua volta, galgando assim, os passos para a tão sonhada liberdade. 

 

302933_314860088527658_1035332733_n

No blog da  Editora Muiraquitã  o leitor irá encontrar uma resenha detalhada com mais informações sobre o livro e o autor.
Se não encontrar em uma livraria perto de você, acesse o site da editora. Entregamos em todo Brasil, via Correios:  Livraria Virtual Editora Muiraquitã

A Martha Medeiros me representa💜👏👏👏

  
Eu, por exemplo, gosto do cheiro dos livros. Gosto de interromper a leitura num trecho especialmente bonito e encostá-lo contra o peito, fechado, enquanto penso no que foi lido. Depois reabro e continuo a viagem. (…) Gosto do barulho das paginas sendo folheadas. Gosto das marcas de velhice que o livro vai ganhando: (…) a lombada descascando, o volume ficando meio ondulado com o manuseio. Tem gente que diz que uma casa sem cortinas é uma casa nua. Eu penso o mesmo de uma casa sem livros.~Martha Medeiros~

#AuroraBoreal Quem é que não tem a sua lista de desejos?!

A Aurora é um fenômeno natural que ganhou esse nome por causa da Deusa romana do amanhecer, como se um raio de sol mais saidinho desse uma escapa para conhecer a noite. Na verdade tem a ver com o Sol mesmo, que está soprando nosso campo eletromagnético e quando esse vento passa raspando pelos polos, produz essas luzes no céu.

O video foi gravado pelo coreano Kwon Chul, especialista em astrofotografia,  durante sua visita à cidade de Yellowknife, no Canadá. (Wagner Brenner)

Sonhos e metas estimulam a nossa jornada e nos fortalecem a seguir sempre em frente. Quem é que não tem a sua lista de desejos?! Na minha lista, gravei em letras grandes o desejo ver a aurora Boreal. Sempre fui encantada por esse fenômeno. E esse vídeo que apresento a vocês, eu vi através do amigo Daniel Japor que é nada menos que um ‘caçador de Aurora Boreal’. Ele participou, com o jornalista Clayton Conservani, do quadro “Planeta Extremo” que começou dentro do Fantástico, e depois foi inserido na grade dos programas que se intercalam no fim de noite de domingo, após o Fantástico. Ele está organizando um livro que vai sair pelas Edições Muiraquitã. Entre as suas atividades ele organiza grupos de interessados em ver a Aurora Boreal, e os leva para viajar.

Agradeço ao Daniel a partilha desse vídeo que só fez crescer minha expectativa em realizar esse desejo.

Nunca desperdice a oportunidade de estimular um sonho. Os sonhos nos mantém vivos. São eles que dão cor e movimento a nossa linha da vida.

Forte abraço!

Em tempos de biografia… uma entrevista revela um pouco de mim.

O tempo não faz as pessoas serem mais ou menos importantes em nossa vidas, penso que é a intensidade com que nos entregamos a viver e construir uma história de amor, ao lado de outra pessoa, que  faz toda a diferença.

Em tempo de discussões públicas sobre as biografias, há que se considerar a hipótese de corrigir equívocos. Onde há registros de uma vida a história se faz presente.

Transcrevo para os amigos que ainda não leram, o link da entrevista comigo, publicada no Globo Niterói, no sábado passado. Meu carinhoso reconhecimento e gratidão ao amigo Luiz Fernando Dias que indicou meu nome para essa pauta. E ao Jordão Pablo de Pão que enviou o link.

A matéria de Rodrigo Bertolucci me agradou, embora com algumas correções que considerei ressalvar: 1) o tempo do meu relacionamento com Tomaz foi de 1996 até a morte dele em Junho de 2010. Na verdade foram 14 anos, mas por uma falha de digitação não saiu o número 1, o que deu a entender que foram 4 anos;  2) Tomaz não era banqueiro, o pai dele é que foi do extinto Banco Predial;  3) os meus olhos são verdes e não azuis;  4) No meu tempo de modelo a ponte Rio-Niterói ainda estava sendo construída e eu atravessava de barca, mas tudo bem porque Rodrigo Bertolucci foi generoso com a minha linha do tempo. Risos.

Enfim,  envio um caloroso abraço aos amigos e agradeço a todos que se manifestaram com comentários carinhosos nas redes sociais e e-mails, depois da publicação.

http://oglobo.globo.com/rio/bairros/laboure-lima-amor-pelas-paginas-que-contam-historias-da-cidade-10547877?fb_action_ids=10153431523000075&fb_action_types=og.recommends&fb_source=aggregation&fb_aggregation_id=288381481237582

foto O GLOBO

Que palavras são essas…?

101_0620

Sempre é tempo de espalhar “O PERFUME DA PALAVRA” e agradecer ao grupo de autores que se dedicou a mais um desafio da criatividade literária. A essência humana de cada um se faz sentir na percepção dos seus sentimentos revelados entre poemas, contos e crônicas que passaram a fazer parte da nossa literatura, com a publicação do volume IV dessa Antologia.

Editora: MUIRAQUITà

ISBN: 978-85-7543-132-0

Formato: 14x21cm

Preço de capa: R$15,00

Entregamos em todo Brasil via CORREIOS
Faça o seu pedido por e-mail: editora.muiraquita@gmail.com

Parabéns pelo Dia Nacional do Livro ♥
Ananita Rebouças | Antônio Paulo | Anny Mary | Claudia Vianna | Danilo Pelloso | Edna Zambão | Gentil Moreira de Sousa | Jackline Gotzen | José Eduardo Giorgetta | Lieda Sobrosa | Marcelo Marcello Gouvêa Duarte | Maria Goreti | Maria José Pedrosa Maria José Zezé Pedroza | Mariza Magalhães | Roberta Souza | Rodrigo Santos| Sandra Lima | Sonia Salim Bruna Nicolau Teca Nicolau | Luani Mendes |Marina Nunes| Pedro Caldas / Pedro Vieira

#sábadodepoesia Notícia comovente no Dia da Árvore: o poeta plantou um “pé de poesias”…

Imagem

Nessa sexta-feira, “Dia da Árvore”, estava me arrumando para sair enquanto acompanhava as notícias pela Rádio Globo. Mania antiga que associei a outra mania, o celular. O meu anda pela casa comigo, aonde eu vou ele vai junto! Assim fico sabendo do mundo e o que acontece pelas ruas da cidade… E foi aí  que ouvi uma notícia que me encantou! Aposto que outros ouvintes, também interessados em livros e poesias, como eu, foram cativados pela ideia do poeta Darlan de Andrade, do Rio de Janeiro. Acreditem, ele “plantou um pé de poesias” usando os galhos de uma árvore morta. Gostei tanto, tanto, desse assunto que ele marcou “meu dia da árvore”. E entre uma coisa e outra, lembrava sempre dessa notícia imaginando como seria a árvore que o poeta, em seu ápice de criatividade, reinventou… e como não poderia deixar de ser fui pesquisar para ver se achava uma foto e consegui o texto original da notícia.  

Trouxe para vocês, conforme ouvi, o que foi publicado no portal da Radio Globo

“Hoje é o Dia da Árvore no Brasil. É, no Brasil. Pois o Dia da Árvore é comemorado em todo o mundo, mas em datas diferentes e por diferentes motivos. Por aqui a data foi escolhida por um motivo especial: a véspera do dia 22 de setembro. Ou seja, da chegada da primavera! Faz todo sentido, já que a estação é responsável pelo grande aparecimento de flores e por simbolizar a continuação da vida. Agora vocês já pensaram se ao invés de dar apenas flores e frutos as árvores também dessem livros?! Pois é possível. Pelo menos, é isso que garante o poeta Darlan de Andrade, do Rio de Janeiro. Ele transformou uma árvore morta em vitrine literária, batizada como Pé de Poesias, que virou um símbolo cultural no Ponto Chic, em Padre Miguel. A ideia surgiu de um bate papo com os amigos, que o convenceram de usar a árvore morta para expor o mais novo livro dele: ‘Mar de Nós’. O poeta providenciou cordas e lâmpadas, pendurou livros nos galhos apodrecidos e ainda ganhou a ajuda do Tio Valdir, compositor da Mocidade Independente de Padre Miguel, que lhe deu papel alumínio para envolver a árvore morta. Com isso, a árvore ficou com brilho e a sensação de vida para que todos a admirassem ainda mais. O novo visual faz grande sucesso no bairro e hoje, no dia da árvore, vai ser cenário de uma tarde autógrafos do poeta carioca, com muita música e poesia para todos.”

Na falta da árvore do Darlan, ilustrei com outra árvore, essa está viva, antiga e linda, e se encontra no Parque das Águas em Caxambú, Minas Gerais.

“Ser sensível é uma coisa e sensato é outra…”

“Ser sensível é uma coisa e sensato é outra. Uma tem a ver com a alma, a outra com a razão.” (Denis Diderot)

Via FaceBook –  página  O Vendedor de Livros

“Mesmo que não escrevas livros, és escritor da tua vida.”

“Mesmo que não escrevas livros, és escritor da tua vida. Mesmo que não sejas Van Gogh, podes fazer de tua vida uma obra de arte.”

Via Facebook – encontra-se na página  O Vendedor de Livros 

 


Entradas Mais Antigas Anteriores

The twitteramigos Daily

Paperli.PaperWidget.Show({
pid: 'laboure_lima/twitteramigos',
width: 200,
background: '#FB0000'
})

%d blogueiros gostam disto: