“Quem adota voluntariamente o caminho do mal rouba um pedaço de esperança, ganha algo mas rouba a esperança a si mesmo, aos outros, à sociedade.” #PapaFrancisco #Nápoles

papa via sapo pt

Visita do Papa Francisco a Nápoles
DISCURSO
Encontro com a população de Scampia
Praça João Paulo II
Sábado, 21 de março de 2015

Boletim da Santa Sé
Tradução: Jéssica Marçal

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Quis começar daqui, desta periferia, a minha visita a Nápoles. Saúdo todos vocês e vos agradeço pelo vosso caloroso acolhimento! Realmente se vê que os napolitanos não são frios! Agradeço ao vosso arcebispo por me ter convidado – também ameaçado se não tivesse vindo a Nápoles – pelas suas palavras de boas vindas; e obrigado àqueles que deram voz às realidades dos migrantes, dos trabalhadores e dos magistrados.

Vocês pertencem a um povo de longa história, atravessada por acontecimentos complexos e dramáticos. A vida em Nápoles nunca foi fácil, porém nunca foi triste! Esse é o vosso grande recurso: a alegria, a alegria. O caminho cotidiano nesta cidade, com as suas dificuldades e suas provações, produz uma cultura de vida que ajuda sempre a se levantar depois de cada queda e a fazer de modo que o mal não tenha nunca a última palavra. Este é um belo desafio: não deixar nunca que o mal tenha a última palavra. É a esperança, vocês sabem bem, este grande patrimônio, esta “alavanca da alma” tão preciosa, mas também exposta a assaltos e roubos.

Sabemos, quem adota voluntariamente o caminho do mal rouba um pedaço de esperança, ganha algo mas rouba a esperança a si mesmo, aos outros, à sociedade. O caminho do mal é um caminho que rouba sempre a esperança, rouba-a também do povo honesto e trabalhador e também da boa fama da cidade, da sua economia.

Gostaria de responder à irmã que falou em nome dos imigrantes e dos sem moradia fixa. A senhora pediu uma palavra que assegure que os migrantes são filhos de Deus e que são cidadãos. Mas é necessário chegar a isso? Os migrantes são seres humanos de segunda classe? Devemos fazer nossos irmãos e irmãs migrantes ouvirem que são cidadãos, que são como nós, filhos de Deus, que são migrantes como nós, porque todos nós somos migrantes rumo a outra pátria, e talvez chegaremos todos. E ninguém se perca pelo caminho! Todos somos migrantes, filhos de Deus que nos colocou todos em caminho. Não se pode dizer: “Mas os migrantes são assim… Nós somos…” Não! Todos somos migrantes, todos estamos em caminho. E esta palavra que todos somos migrantes não está escrita em um livro, está escrita na nossa carne, no nosso caminho de vida, que nos assegura que em Cristo somos todos filhos de Deus, filhos amados, filhos queridos, filhos salvos. Pensemos nisso: todos somos migrantes no caminho da vida, ninguém de nós tem morada fixa nesta terra, todos precisamos caminhar para lá. E todos devemos ir encontrar Deus: primeiro um, depois o outro, ou como dizia aquele idoso, aquele velhinho esperto: “Sim, sim, todos! Vão vocês, eu vou por último”. Todos devemos ir.

Depois houve a intervenção do trabalhador. E agradeço também a ele, porque naturalmente eu queria tocar neste ponto, que é um sinal negativo do nosso tempo. De modo especial o é a falta de trabalho para os jovens. Mas pensem: mais de 40 por cento dos jovens de 25 anos não têm trabalho! Isso é grave! O que faz um jovem sem trabalho? Que futuro tem? Que caminho de vida escolhe? Esta é uma responsabilidade não somente da cidade, não somente do país, mas do mundo! Por que? Porque há um sistema econômico que descarta o povo e agora é a vez dos jovens de serem descartados, isso é, sem trabalho. Isso é grave! “Mas há as obras de caridade, há os voluntários, há a Cáritas, há aquele centro, há aquele clube que dá de comer…”. Mas o problema não é comer, o problema mais grave é não ter a possibilidade de levar o pão pra casa, de ganhá-lo! E quando não se ganha o pão, se perde a dignidade! Esta falta de trabalho nos rouba a dignidade. Devemos lutar por isso, devemos defender a nossa dignidade de cidadãos, de homens, de mulheres, de jovens. Este é o drama do nosso tempo. Não devemos permanecer em silêncio.

Penso também no trabalho pela metade. O que quero dizer com isso? A exploração de pessoas no trabalho. Há algumas semanas, uma moça que precisava de trabalho, encontrou um em uma empresa turística e as condições eram estas: 11 horas de trabalho, 600 euros ao mês sem contribuição alguma para a aposentadoria. “Mas é pouco por 11 horas!”. “Se você não gosta, olhe para a fila de gente que está esperando pelo trabalho!”. Isso se chama escravidão, isso se chama exploração, isso não é humano, isso não é cristão. E se aquele que faz isso se diz cristão, é um mentiroso, não diz a verdade, não é cristão. Também a exploração do trabalho no escuro – você trabalha sem contrato e eu te pago aquilo que quero – é exploração de pessoas. “Sem as contribuições para a aposentadoria e a saúde?”. “A mim não interessa”.

Eu te entendo bem, irmão, e te agradeço por aquilo que disseste. Devemos retomar a luta pela nossa dignidade que é a luta para procurar, para encontrar, para reencontrar a possibilidade de levar o pão pra casa! Essa é a nossa luta!

E aqui penso na intervenção do presidente da Corte de Apelo. Ele usou uma bela expressão “percurso de esperança” e recordava um lema de São João Bosco: “bons cristãos e honestos cidadãos”, dirigido às crianças e aos jovens. O percurso de esperança para as crianças – estas que estão aqui e para todas – é antes de tudo a educação, mas uma verdadeira educação, o percurso de educar para um futuro: isso previne e ajuda a seguir adiante. O juiz disse uma palavra que eu gostaria de retomar, uma palavra que se usa muito hoje, o juiz disse “corrupção”. Mas, diga-me, se nós fechamos a porta aos migrantes, se nós tiramos o trabalho e a dignidade do povo, como se chama isso? Chama-se corrupção e todos nós temos a possibilidade de sermos corruptos, ninguém pode dizer: “eu nunca serei corrupto”. Não! É uma tentação, é um deslize para os negócios fáceis, para a delinquência, para os crimes, para a exploração das pessoas. Quanta corrupção há no mundo! É uma palavra ruim, se pensamos um pouco. Porque uma coisa corrupta é uma coisa suja! Se nós encontramos um animal morto que está se degradando, que está “corroído” é ruim e também fede. A corrupção fede! A sociedade corrupta fede! Um cristão que deixa entrar em si a corrupção não é cristão, fede!

Queridos amigos, a minha presença quer ser um impulso a um caminho de esperança, de renascimento e de recuperação já em andamento. Conheço o empenho, generoso e eficaz, da Igreja, presente com as suas comunidades e os seus serviços no vivo da realidade de Scampia; bem como a contínua mobilização de grupos de voluntários que não deixam faltar a sua ajuda.

Encorajo também a presença e o ativo empenho das Instituições citadinas, porque uma comunidade não pode progredir sem o seu apoio, tanto mais em momentos de crise e na presença de situações sociais difíceis e às vezes extremas. A “boa política” é um serviço às pessoas, que se exercita em primeiro lugar em nível local, onde o peso das falhas, dos atrasos, das reais e próprias omissões é mais direto e faz mais mal. A boa política é uma das expressões mais altas da caridade, do serviço e do amor. Façam uma boa política, mas entre vocês: a política se faz todos juntos! Entre todos se faz uma boa política!

Nápoles está sempre pronta para ressurgir, contando com uma esperança formada por mil provas e, por isso, recurso autêntico e concreto com o qual contar em todo momento. A sua raiz está no cerne da alma dos próprios napolitanos, sobretudo na sua alegria, na sua religiosidade, na sua piedade! Desejo-vos que tenham a coragem de seguir adiante com essa alegria, com essa raiz, a coragem de levar adiante a esperança, de não roubar nunca a esperança de ninguém, de seguir adiante pelo caminho do bem, não pelo caminho do mal, de seguir adiante no acolhimento de todos aqueles que vêm a Nápoles de qualquer país: sejam todos napolitanos, aprendam o napolitano que é tão doce e tão bonito! Desejo-vos seguir adiante em procurar fontes de trabalho, para que todos tenham a dignidade de levar o pão para casa e de seguir adiante na limpeza da própria alma, ma limpeza da cidade, na limpeza da sociedade para que não haja aquele fedor da corrupção!

Desejo-vos o melhor, sigam adiante e São Gennaro, vosso padroeiro, vos auxilie e interceda por vocês.

Abençoo todos de coração, abençoo vossas famílias e este vosso bairro, abençoo as crianças que estão aqui em torno a nós. E, por favor, não se esqueçam de rezar por mim. Que Nossa Senhora vos acompanhe!

Anúncios

6 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Nazareth Lemos Maldonado Peres
    mar 22, 2015 @ 21:00:18

    O Papa “do fim do mundo” ensinando com humildade.

    Curtido por 1 pessoa

  2. marielfernandes
    mar 22, 2015 @ 22:36:16

    Barbaridade de bom. Gosto desse papa, muito mesmo

    Curtido por 1 pessoa

  3. Labouré Lima
    mar 22, 2015 @ 23:34:28

    Penso que em pouco tempo, ele conseguiu quebrar paradigmas e se tornou uma liderança que ultrapassa o aspecto religioso. Francisco é um líder do nosso tempo. Um pensador firme e coerente, centrado na realidade contemporânea, porém, sem perder o romantismo que lhe confere imenso grau de humanidade.

    Curtido por 1 pessoa

  4. marielfernandes
    mar 22, 2015 @ 23:41:24

    Deve ser isso, querida. O cara é tão bom que, mesmo sendo argentino… a gente respeita e gosta

    Curtido por 1 pessoa

  5. Labouré Lima
    mar 22, 2015 @ 23:46:24

    Hahahahaha!! É por aí mesmo, nessa questão os ‘hermanos’ se deram bem 😉

    Curtido por 1 pessoa

  6. marielfernandes
    mar 26, 2015 @ 20:55:54

    Estamos precisando tanto disso, a humanidade

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

The twitteramigos Daily

Paperli.PaperWidget.Show({
pid: 'laboure_lima/twitteramigos',
width: 200,
background: '#FB0000'
})

%d blogueiros gostam disto: